Musgueira Sul _ Cinema _ Lumiar

Material-da-Tbis24Mquina-da-Tbis17

A população da Musgueira Sul, desde sempre teve a possibilidade de ir ver cinema e a história do cinema Português, estará ligada para sempre ao Lumiar.

A população da Musgueira Sul, era brindada pela iniciativa do Sr. Moisés, um residente do bairro, quando realizava sessões de cinema no Pavilhão do Bairro da Musgueira Sul, um outro local de eleição era o Restaurante Castanheira de Moura.

Ainda hoje o Castanheira de Moura é lembrado por muitos, pelas suas sessões de cinema ao ar livre.

Deixo aqui uma pequena contribuição sobre a sua história

sem nomecastanheira[2]castanh 1955[1]

Quem era o Sr. António Castanheira de Moura http://fonteviva.no.sapo.pt/AntonioCastanheiraMoura.htm

2381164061_9d1cabef98[1]sos-lumiar-bcv-6[1]sos-lumiar-bcv-7[1]

Nos anos 50 / 60, o Restaurante Castanheira de Moura, sito na Estrada da Torre no Lumiar, era uma referência na Cidade de Lisboa, não só pelo restaurante, mas também pelos seus jardins, pelo cinema ao ar livre – que fizera as delícias de muitos residentes da freguesia, nas noites de Verão.

Este espaço está ligado à Historia de Portugal, alguns possivelmente ainda se lembram das eleições presidências de 1958 e da candidatura do Eng. Cunha Leal, foi tornada pública a sua candidatura neste restaurante, De entre as várias intervenções e do discurso de aceitação de Cunha Leal, destacou-se a intervenção da escritora Natália Correia, declamando um poema dedicado à memória de Catarina Eufémia.

As movimentações Académicas, em 1962 que então abalou a Universidade de Lisboa, em torno das comemorações do “Dia do Estudante”, o dia 24 de Março.
Jorge Sampaio presidia ao Plenário, na qualidade de Secretário-Geral da R.I.A. (Reunião Inter-Associações), entre outros como Afonso de Barros, António Arez, Victor Wengorovius, André Machado Jorge, Abílio Teixeira Mendes, José Felismino, António Dias. Saíram do Estádio Universitário em direcção ao Restaurante Castanheira de Moura, onde o Reitor (Marcelo Caetano) oferecia um almoço.

Antes de aí chegarem, os estudantes foram dispersos por uma carga da Polícia de Choque.

mais informação pode encontrar aqui: Ilustração Portugueza, No. 467, February 1 1915 – 9, originally uploaded by Gatochy.

O industrial António Castanheira de Moura dá uma festa na sua propriedade do Lumiar, para celebrar o 32º aniversário da sua chegada a Lisboa, bem como as melhoras da sua mulher e do sogro, que tinham estado doentes.

Em Novembro de 2010, os edificios forma demolidos.

  • Cinema do Lumiar

Cinema Lumiar 1977cinema lumiar[1]lumiar inicio dl 31-10-68[1]

No lumiar chegou a existir um cinema que possivelmente foi ponto de encontro para alguns moradores da Musgueira

Esta sala foi inaugurada em 1968 e logo com um filme japonês chamado “Buddha” de 1961 (cá recebeu o título de “O Reino de Buda”), que tinha uma estética semelhante aos filmes indianos.

Em 1969, este cinema já estava reduzido a cinema de reprise com sessões duplas. Fechou portas em 1977. Desde aí, essa freguesia nunca mais teve uma sala de cinema digna desse nome.

  • História do cinema Português está ligado ao Lumiar _ estudios da Tobis

Gostaria de deixar um pouco da sua história, é sempre bom reviver momentos de ouro do cinema Português e da sua ligação ao Lumiar.

Tbis-Portuguesa_215estudio-e-localizac3a7c3a3o-tobis[1]

Em 1920 – Francisco Mantero vende terreno com antigas edificações da Quinta das Conchas, mediante escritura de 5 de Janeiro, à empresa Técnica Publicitaria Film Gráfica Caldervilha.

Em 1932 – A companhia Portuguesa de filmes sonoros Tobis Klangfilm é constituída a 3 de Junho. Um mês de depois, adquire uma parcela de terreno da Quinta das Conchas, outrora vendido por Francisco Mantero à empresa Técnica Publicitaria Film Gráfica Caldervilha e aqui nascia o primeiro estúdio da companhia Portuguesa de filmes sonoros Tobis Klangfilm.

Em 1934 A companhia Portuguesa de filmes sonoros Tobis Klangfilm, que entretanto mudou a sua designação para Tobis Portuguesa, inaugura a 17 de Agosto o novo estúdio, aqui viriam a ser filmados obras como:

A Canção de Lisboa, realizado por Cottinelli Telmo (com Beatriz Costa, Vasco Santana, António Silva e… Manoel de Oliveira). (1933)

As Pupilas do Sr. Reitor, de Leitão de Barros, segunda longa-metragem. (1935)

Maria Papoila de Leitão de Barros. (1937)

João Ratão, de Jorge Brum do Canto, apresentado com o filme cultural Primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul de Fernando Fragoso e Raul Faria da Fonseca. (1940)

O Pai tirano de António Lopes Ribeiro ou O pátio das Cantigas produzido por António Lopes Ribeiro e realizado Francisco Ribeiro (Ribeirinho). (1941)

O Costa do Castelo, de Arthur Duarte. (1943)

A Menina da Rádio, de Arthur Duarte .

O Leão da Estrela, de Arthur Duarte, com António Silva, Milú, Erico Braga, Curado Ribeiro, Laura Alves, Artur Agostinho, Maria Olguim. (1947)

A Tobis, teve um papel importante no âmbito da indústria cinematográfica nacional, na sua contribuição para o desenvolvimento do cinema em Portugal e na sua inserção no contexto mais geral da história contemporânea portuguesa; próximo de 80 anos de história na fabricação de cinema em Portugal.

João B Antunes

Anúncios
Categorias: Bairro, Cinema, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, sociedade | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “Musgueira Sul _ Cinema _ Lumiar

  1. Pingback: Musgueira sul – cinema – Lumiar | Bº da Cruz Vermelha LUMIAR

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: