Social

Musgueira Sul _ Rostos da minha Terra

13

Anúncios
Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira SUL

 

6561_110078429176877_664447428_n[1]

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul

MS

Uma foto que pode  perpetuar a Memória que o tempo não apaga.

Categorias: Bairro, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul _ Rostos da minha terra

foto de Eduardo Paulinoeduardo paulino

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul _Rostos da Minha Terra

Marco esquerdofoto de Marco Esquerdo

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul _ 4 as demolições

2001, ano que marca o fim do bairro,o Presidente da CML  João Soares, cumpria assim a sua promessa eleitoral, importa relembrar as várias fases de demolição do bairro aqui publicadas.

1992/93 _  https://musgueirasul.wordpress.com/2013/05/07/musgueira-sul-_-1oas-demolicoes/

1997 _ https://musgueirasul.wordpress.com/2013/05/08/musgueira-sul-_-2-as-demolicoes/

1998 _ https://musgueirasul.wordpress.com/2013/05/09/musgueira-sul-_-3-as-demolicoes/

2001 – Será a 4.ª e ultima fase da demolição do Bairro

As famílias são transferidas da Freguesia do Lumiar para a Freguesia da Charneca, na sua maioria foram viver para a rua Tito de Morais, num total de 436 fogos,   1744 residentes.

528820_145353162268204_903040993_n

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul – testemunho da Irmã Pilar

Realizei um convite a irmã Pilar Moreira, para dar o seu testemunho da sua experiencia dos seus 18 anos de profunda convivência com a população da Musgueira Sul.

Todos aqueles que moraram no Bairro da Musgueira Sul, sabem da importância do trabalho desenvolvido pelas  Irmãs Doroteias  junto da comunidade.

Que atividades desenvolveram e de que modo contribuíram para o desenvolvimento do Bairro?

De que modo a Religião contribui para a união dos moradores?

Como é que a população se envolvia nas atividades religiosas ?

Que peso tinha a religião nas famílias do Bairro?

Que legado deixaram?

Irmã Pilar

Irmã Pilar

” Falar da experiência de Fé partilhada no Bairro da Musgueira Sul implica referir todas as dimensões da vida da População. Sempre se tratou de avivar uma Fé incarnada, envolvendo a vida toda porque só assim penso que pode ser entendida a Fé Cristã, a que diziam e provavam professar, na grande maioria, os habitantes do Bairro.

Num primeiro inquérito, lançado no início de 1973 pela Equipa Técnica da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa chefiada, então, pela Dra. Manuela Carvalho, os três pedidos feitos com maior insistência pela População eram: uma Igreja, uma escola e uma Esquadra da Polícia. Note-se que então, ainda não havia água canalizada nas casa, a luz elétrica era fraca e os transportes públicos, pouco frequentes.

Após a chegada de uma Comunidade de Irmãs Doroteias ao Bairro, em Fevereiro de 1973, a pedido das Famílias, a Catequese começou a sistematizar-se, a intervenção social ia passando por várias etapas. A realidade tornava-se mais perceptível, mais próxima e mais clara a certeza de que intervir no Bairro era auscultar a ação de Deus nas pessoas e através delas.

O contacto com o Projecto “Nova Imagem de Paróquia” implementado pelo Movimento Por Um Mundo Melhor, trouxe muita luz e foi a metodologia que melhor respondeu ao que todos desejávamos – Transformar o nosso Bairro numa grande família feliz.

Um grupo do Bairro, envolvendo adultos e jovens, tentou estudar a realidade que éramos, os problemas e os dinamismos que possuíamos. Fez-se um plano. Organizou-se o Bairro por Zonas e todos, mesmos todos, foram convidados a participar, na medida em que quisessem e pudessem. Constituíram-se Equipas que assumiam toda a responsabilidade em cada Zona. Desse plano fazia parte toda a dimensão do Culto (louvor, petição, ação de graças e adoração a Deus, por nos amar como filhos e possibilitar que nós o amássemos) a Pastoral, a atenção a todos os problemas do Bairro e a solidariedade com outros Bairros, as dimensões Lúdica e Cultural.

Tudo estava de tal modo relacionado que quando uma criança frequentava a catequese ia descobrir quão importante era aprender a ler bem como a dar atenção e a respeitar a Pessoa de Idade que vivia a seu lado ou a Deficiente que encontrava ao sair da escola.

Se numa rua alguém estava a passar mal, na catequese ou na reunião da Equipa estudava-se a maneira de ajudar de forma bonita e, cada dia, uma vizinha aparecia a levar o almoço como quem leva o melhor presente que tem.

A Escola do Bairro foi reconstruída por todos para todos, mas muito temos a dever a um grupo de cristãos que se bateu até ao fim e deu a sua cara, a sua palavra, o seu trabalho. Vários estão ainda entre nós. Lembro dois senhores porque já descansam na paz de Deus: O Sr Roque e o Sr. António Ambrósio.

A densidade das Eucaristias dominicais do Bairro era algo significativo. Desde a preparação do local (ali havia baile, por vezes até às 2 h da madrugada) que às 10 h estava completamente limpo e dignamente preparado para a Celebração. Cada mês tinha este encargo uma das oito Equipas (10 incluindo as duas Equipas das Calvanas que foram uma ajuda providencial). As leituras, a animação litúrgica eram cuidadosamente preparadas e ajudavam ao encontro com o Deus da Novidade de cada dia.

A vida de trabalho, apesar de dura, muito dura, por vezes, era levada com mais leveza porque a dimensão cultural e lúdica tinham também muita força e encontravam-se englobadas em toda a nossa experiência. Tudo, até as contrariedades, nos ajudavam a crescer como mulheres, como homens, como filhos de Deus.

Apenas dois factos para não cansar e que podem ilustrar o que fica por dizer:

Após a Via-Sacra, no Salão, numa Semana Santa, uma Senhora que havia anos não se falava com outra, foi ter com ela e disse-lhe: — Não podemos ter feito, com verdade, esta oração e continuar sem nos dar os bons dias. Dê-me um abraço e desculpe-me tudo o que lhe fiz.— E abraçaram-se, recomeçando uma relação de Amizade.

Nalgumas Paróquias deixou de se celebrar a Missa do Galo à noite, porque havia receio. O nosso Pároco não celebrava no Lumiar, mas vinha celebrar a Missa da meia noite à Musgueira Sul, todos os anos.

São uns laivos do muito que me foi dado viver e aprender com a minha querida População da Musgueira Sul. O mais importante fica por dizer: os exemplos maravilhosos de humanidade e fraternidade que se sucederam durante tantos anos! A força inovadora daquela Juventude!… Falhas havia muitas, mas incomparavelmente maior era a grandeza de coração daquele GRANDE POVO do qual me orgulho de me terem permitido fazer parte.” Ir Pilar Moreira

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Religião, Social, sociedade | 2 Comentários

Musgueira Sul – Rancho folclore

Foto Carmen Oliveira 576207_124884527696267_1167672888_n[1]549770_124884871029566_1420066783_n[1]                               foto Carmo Oliveira                                                                                                                                       foto Avelino Costa

O folclore é a tradição e usos populares, constituído pelos costumes e tradições transmitidos de geração em geração.

O folclore é sinônimo de cultura popular e representa a identidade social de uma comunidade através de suas criações culturais, coletivas ou individuais, e é também uma parte essencial da cultura de cada nação.

O bairro da Musgeira Sul, também tinha um rancho que tentava recriar e reviver as tradições do folclore de norte a sul do país.

314152_386100364742154_882767574_n[1] 527936_111255695725817_873407234_n[1] 541420_3252456401671_1575436901_n[1]

253722_453366724732483_1983464678_n[1]      530193_453366591399163_782120907_n[1]  foto Avelino Costa

João B Antunes

Categorias: Bairro, folclore, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | Deixe um comentário

Musgueira Sul _ 3 as demolições

Musgueira Sul JBA 8 Musgueira Sul JBA 10 Musgueira Sul 34

Em 1998, continuou o processo de realojamento para o PER 2 (Rua Maria Alice e Maria do Carmo Torres), mas apenas algumas famílias da Musgueira Sul foram instaladas na rua Maria do Carmo Torres nº 3, os restantes edifícios  foram entregues aos moradores da Musgueira norte.

Rua Maria do Carmo Torres nº 3 – 23 fogos  –  71  residentes

maria do carmo torres maria do carmo torres 2 Musgueira Sul JBA 16

Era nesta altura , João Soares o Presidente da CML

Joao_Soares[1]

João B Antunes

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | 2 Comentários

Musgueira Sul _ 2 as demolições

Musgueira sul - JBA 7 JBA 8 Musgueira Sul 39 Musgueira Sul 36

Em 1993 perante a manifesta insuficiência, considerando o volume de bairros a demolir em Lisboa, o Ministério das Obras Públicas resolveu apresentar o “Programa Especial de Realojamento – PER.

Em 1994, após o recenseamento de 11.129 famílias e efetuados os estudos de natureza urbanística e financeira indispensável, a Câmara Municipal de Lisboa subscreveu o protocolo do PER, que previa a erradicação dos Bairros degradados até ao ano 2001.

Em 1997, iniciaram-se os realojamentos para a zona designada PER 1,  no Bairro da Cruz Vermelha no Lumiar (Rua Maria Carlota), de pessoas na sua maioria oriundas da Musgueira Sul.

Rua Maria carlota Rua Maria carlota 1 Musgueira Sul JBA 13

Rua Maria Carlota nº 2 – 21  fogos – 87 residentes

Rua Maria Carlota nº 4 – 21  fogos – 32  residentes

Rua Maria Carlota nº 6 – 24  fogos – 85  residentes

Rua Maria carlota 3 Rua Maria carlota 2 523688_145355192268001_1897074683_n[1]

Rua Maria Carlota nº 8 – 23 fogos – 91 residentes

Rua Maria Carlota nº 10 – 12 fogos – 69 residentes

Rua Maria Carlota nº 12 – 16 fogos – 92 residentes

Total  fogos 117 –  456  residentes

Era nesta altura , João Soares o Presidente da CML

Joao_Soares_011209[1]

João B Antunes

Categorias: Bairro, Historia, Lisboa, Lumiar, Portugal, Social, sociedade | 2 Comentários

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.